quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Dieta da fertilidade- Veja como a alimentação pode influenciar as chances de ter um bebê!

Simples alterações na alimentação podem aumentar as chances de engravidar, segundo estudo da Universidade Harvard.

Em vez de pão branco, o integral; no lugar de leite magro, o gordo; menos carne vermelha e mais peixe. Substituições que podem ser feitas tranqüilamente no dia-a-dia ajudam a reduzir em até 80% a infertilidade causada por problemas ovulatórios. Quem dá a boa notícia são os médicos especializados em saúde pública Jorge Chavarro, Walter Willet e Patrick Skerret, da Harvard School of Public Health. Eles compilaram no livro The fertility diet, lançado no final de 2007 nos Estados Unidos (sem previsão de ser editado no Brasil), os dados recolhidos ao longo de um estudo com cerca de 19 mil enfermeiras, durante oito anos. "O resultado oferece uma alternativa para que se evitem o stress, a perda de tempo e os gastos com os processos de fertilização. É ainda uma prova de que, em alguns casos, a medicina high tech não é a única solução para quem quer engravidar", afirma Chavarro. A endocrinologista Vânia Assaly, de São Paulo, concorda. "Atitudes simples muitas vezes são menos prezadas pelas pessoas, que partem logo para a fertilização induzida", diz. "Quem controla o que entra pela boca pode ter mais filhos e viver mais", afirma Chavarro. Mas essa dieta não vale para tratar qualquer dificuldade. "O estudo não contempla casos originados por infecções genitais, problemas nas trompas ou com o homem", alerta o ginecologista Dirceu Henrique Mendes Pereira, de São Paulo.

Atitudes que ajudam a engravidar

1. Corte a gordura trans
Ingerir 2% de calorias desse tipo de gordura eleva em mais de 100% os riscos de infertilidade. Ao comprar produtos industrializados, escolha aqueles que levam o selo "livre de trans". O mercado está trocando essa gordura por óleo de palma ou adotando a interesterificação (processo que não origina a gordura trans).

2. Diga sim às gorduras ricas em ômega 3 e 6
Consuma azeite, óleo de canola, salmão, sardinha, linhaça e amêndoa. Segundo o médico Dirceu Mendes Pereira, essas gorduras tornam a membrana que envolve o óvulo mais fluida. Isso facilita a penetração do espermatozóide e a saída do embrião, que vai se implantar no útero.

3. Adote carboidratos complexos
Troque tudo o que é feito com farinha branca (pão, macarrão, biscoito) pela versão integral, os carboidratos complexos. Segundo o estudo, as mulheres que ingeriam poucos grãos integrais e se deliciavam com arroz branco, batatas e doces (carboidratos simples) tinham 55% mais probabilidade de apresentar a síndrome do ovário policístico, que leva à ovulação irregular.
4. Bote fé no ácido fólico
Rico em proteínas e, por isso, um promotor da renovação celular, o ácido fólico é importante desde a fecundação até o fim da gestação, pois ajuda na formação do sistema nervoso do feto. Ele ainda é eficaz na manutenção da gravidez, principalmente nos três primeiros meses, quando o risco de aborto natural é maior. Coma soja, fígado, vegetais verde-escuros (espinafre, agrião) e levedo de cerveja. E fale com seu médico sobre a necessidade de suplementação.

5. Beba leite integral
Troque o desnatado ou semidesnatado pelo integral e, duas vezes por semana, tome 1/2 xícara de sorvete (sem gordura trans). "Pela pesquisa, as mulheres que bebiam leite integral todos os dias tinham 70% menos risco de ter problemas de infertilidade do que as que raramente tomavam a bebida", diz Jorge Chavarro.

6. Consuma ferro
A carência do mineral pode dificultar a ovulação. Reforce a dose investindo em alimentos como couve, beterraba e açaí. Converse com seu médico sobre a necessidade da suplementação de ferro. "O estudo mostrou que a suplementação com pelo menos 40 miligramas de ferro reduzia em 40% a possibilidade de a mulher apresentar problemas de infertilidade", informa Chavarro.

7. Tome muito líquido
A hidratação é essencial para todas as reações químicas do corpo, inclusive a fecundação. Tome cerca de 3 litros de água por dia. Mas modere o consumo de café e chá, ricos em cafeína - em média duas xícaras por dia. Álcool, só ocasionalmente, como uma taça de vinho uma vez por semana. Já os refrigerantes devem ser cortados, pois contêm muito açúcar.

8. Controle o peso
Segundo pesquisa feita pela ginecologista Daniella Curi no Hospital das Clínicas de São Paulo, após perderem 3% do peso, 60% das mulheres com sobrepeso apresentaram ciclos ovulatórios normais. "Ter um índice de massa corpórea (IMC) entre 21 e 25 indica boa fertilidade. Mais ou menos do que isso pode afetar a ovulação", diz Vânia Assaly.

9. Diminua o consumo de carne vermelha
Substituir a proteína animal pela vegetal melhora a ovulação. O estudo americano mostrou que a infertilidade ovulatória era 39% maior em mulheres que consumiam mais proteína animal. Isso não significa abolir a carne do prato, mas reduzir a ingestão para duas vezes por semana e escolher outras fontes de proteína, como peixe, soja e feijão.

10. Adapte o cardápio
Pequenas alterações no cardápio típico brasileiro também podem aumentar a fertilidade. "Troque o arroz branco pelo integral, reforce a dose de feijão para substituir o valor protéico da carne e adicione à saladas duas nozes ou três castanhas, ricas em óleos do bem", sugere o médico Jorge Chavarro.

CARDÁPIO DA FERTILIDADE
A nutricionista Fernanda Scheer, da Centro Brasileiro de Nutrição Funcional, em São Paulo, adaptou o cardápio do livro The Fertility Diet para o paladar brasileiro. Ela usou alimentos com os nutrientes recomendados pelos autores e facilmente encontrados em feiras e supermercados. Mas lembre-se: o objetivo não é emagrecer, e sim aumentar a fertilidade e ficar mais saudável.

SEGUNDA-FEIRA
CAFÉ DA MANHÃ
1 copo (200 ml) de leite ou iogurte integral
2 colheres (sopa) de aveia em flocos
1 colher (sobremesa) de amêndoas picadas e tostadas
1 banana prata ou 1 goiaba
ALMOÇO
1 prato (sobremesa) de salada de rúcula, tomate e pepino, temperada com 1 colher (sobremesa) de azeite de oliva extra virgem e 1colher (sopa) de vinagre de maçã
3 colheres (sopa) de berinjela cozida
1 posta grande de salmão grelhado em crosta de gergelim
2 colheres (sopa) de arroz selvagem
LANCHE DA TARDE
1 ovo cozido ou mexido
1 fatia de pão de centeio
1 xícara de chá verde
JANTAR
Salada de feijão branco: 3 colheres (sopa) de feijão branco cozido, 2 xícaras (chá) de folhas verdes variadas, ½ xícara (chá) de cenoura ralada, 1 batata doce média cozida cortada em pedacinhos, 3 nozes picadas, 1 colher (sobremesa) de azeite de oliva extra virgem para temperar.
LANCHE
1 xícara (chá) de morangos com 1 colher (sopa) de iogurte natural e 1 colher (sopa) de linhaça dourada triturada

TERÇA-FEIRA
CAFÉ DA MANHÃ
1 copo (200 ml) de leite de soja batido com 1 maçã
1 fatia de pão integral torrado com 1 colher (sobremesa) de tahine (pasta de gergelim) e 1 colher (sobremesa) de geléia de framboesa sem açúcar
½ xícara (chá) de café preto
ALMOÇO
Macarrão de atum feito com 1 xícara (chá) de macarrão integral com molho de tomate, 3 colheres (sopa) de atum, 1 xícara (chá) de brócolis cozido, 1 colher (sopa) de beterraba ralada
LANCHE DA TARDE
1 colher (sopa) de semente de girassol e 1 colher (sopa) de uva passa
1 copo (200 ml) de água de côco
JANTAR
Salada de grão de bico e quinua feita com 1 prato (sobremesa) de salada de alface, agrião e tomate cereja. 1 fatia média de manga, 1 colher (sobremesa) de azeite de oliva extra virgem, 3 colheres (sopa) de grão de bico e 3 colheres (sopa) de quinua cozida em grãos
LANCHE
1 fatia média de melancia

QUARTA-FEIRA
CAFÉ DA MANHÃ
3 colher (sopa) de abacate amassado com limão
1 colher (chá) de mel
2 colheres (sopa) de granola sem açúcar
ALMOÇO
1 prato (sobremesa)de salada de alface roxa, broto de bambu e 1 fatia média de tofu picado
1 colher (sobremesa) de azeite de oliva extra virgem
2 colheres (sopa) de vagem cozida
2 colheres (sopa) de arroz integral
1 concha média de feijão azuki
LANCHE DA TARDE
3 damascos secos
3 castanhas do pará
1 xícara de chá verde
JANTAR
1 posta grande de peixe branco, como pescada ou saint peter, assado no papel alumínio com temperos e vegetais (tomate, cebola, cenoura, chuchu)
3 colheres (sopa) de purê de abóbora salpicado com 1 colher (sobremesa) de gérmen de trigo
LANCHE
1 pêra cozida com e ½ xícara (chá) de sorvete de creme sem gordura trans

QUINTA-FEIRA
CAFÉ DA MANHÃ
2 ovos mexidos com orégano
2 torradas integrais
1 copo (200 ml) de suco de frutas natural com 5 morangos, 1 fatia de abacaxi e 1 fatia de melancia batidos no liquidificador
ALMOÇO
1 prato sobremesa de salada de folhas verdes variadas (alface americana, rúcula e alface roxa)
1 colher (sopa) de azeite de oliva extra virgem
Salada de grão de bico, macadâmia e maçã feita com
4 macadâmias picadas, 3 colheres (sopa) de grão de bico cozido, 1 maçã picada, 2 colheres (sopa )de iogurte natural
LANCHE DA TARDE
Vitamina de leite de soja feita com1 copo (200 ml) de leite de soja, 1 pêra, 1 colher (sopa) de linhaça dourada triturada
JANTAR
Salada de sardinha feita com folhas verdes variadas,
1 colher (sobremesa) de azeite de oliva extra virgem, 1 lata de sardinha (escorra a gordura), 4 azeitonas verdes, ½ pimentão vermelho picado, ½ pepino, 2 fatias de pão integral assados e cortados como croutons
LANCHE
1 copo (200 ml) de suco de kiwi com água de côco feito com 3 kiwis batidos no liquidificador com 1/2 copo de água de côco e gelo

SEXTA-FEIRA
CAFÉ DA MANHÃ
1 xícara (chá) leite integral
3 colheres (sopa) de cereais matinais com fibras
½ mamão papaia
2 castanhas-do-pará picadas
ALMOÇO
1 prato (sobremesa) de salada de rúcula, agrião, tomate e cenoura
1 colher (sobremesa) de azeite de oliva extra virgem
3 colheres (sopa) de espinafre cozido
3 colheres (sopa) de purê de mandioquinha
1 filé de linguado em crosta de aveia
LANCHE DA TARDE
3 ameixas pretas
6 amêndoas não salgadas
1 xícara (chá) chá verde
JANTAR
1 prato fundo de sopa de vegetais com lentilhas
1 fatia grossa de tofu picado
3 torradas integrais
LANCHE
1 maçã assada com ½ xícara (chá) de sorvete de creme sem gordura trans

SÁBADO
CAFÉ DA MANHÃ
1 copo de suco de laranja batido com 1 folha de couve e 1 colher (chá) de gengibre ralado
1 fatia de pão integral
Omelete feita com 2 ovos caipiras
ALMOÇO
1 prato (sobremesa) de salada de espinafre, cogumelos, aspargos e tomate
1 colher (sobremesa) de azeite de oliva extra virgem
1 xícara (chá) abobrinha cozida salpicada com gergelim
3 colheres (sopa) de arroz integral
3 colheres (sopa) de soja cozida
LANCHE DA TARDE
2 nozes
20g de chocolate amargo
JANTAR
1 prato (sobremesa) de salada de rúcula, tomate seco e queijo de búfala
1 colher (sobremesa) de azeite de oliva extra virgem e 1 colher ( sobremesa) de vinagre balsâmico
4 alcachofras cozida
1 xícara (chá) de macarrão integral com molho de tomate
LANCHE
1 pote de iogurte natural com 1 colher (sopa) de linhaça dourada triturada e 2 damascos secos

DOMINGO
CAFÉ DA MANHÃ
1 copo (200 ml) de vitamina de açaí feita com 1 polpa, 1 banana e 1/2 copo de água
2 torradas integrais com geléia de amora sem açúcar
ALMOÇO
1 prato (sobremesa) de salada de folhas verde escuras com palmito e beterraba
1 colher (sobremesa) de azeite de oliva extra virgem
1 xícara (chá) de brócolis cozido
3 colheres (sopa) de grão de bico
2 colheres (sopa) de purê de batata doce com gengibre
LANCHE DA TARDE
1 pote de iogurte natural batido com 2 amêndoas (não salgadas)
JANTAR
1 xícara (chá) de catalônia cozida com 1 dente de alho
1 posta grande de salmão assado com molho de laranja
3 colheres (sopa) de arroz 7 grãos
LANCHE
1 goiaba

Por Sandra Hirata paa Revista CLAUDIA

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

A milagrosa fritadeira sem óleo


Ainda não testei para poder falar com mais propriedade, mas me parece mesmo milagrosa essa nova fritadeira da Walita, a AirFryer.

E parece muito simples de usar: é só puxar a gaveta, colocar o alimento a ser frito e ajustar o timer de acordo com a necessidade.

Ela vem com um manual para que você saiba exatamente qual potência usar para que seus alimentos fiquem similares a um frito de maneira tradicional, ou melhor, no óleo.

Uma ótima maneira de fazer coisinhas crocantes e gostosas como batatas, pastéis, à milanesa, bolinho de arroz (integral!) polenta e mandioca (hummmm), de forma beeeem menos gordurosa.
O que não vale a pena: usar o aparelho para fazer tranqueiras industrializadas como nuggets, hamburguers, churros... Ou pelo menos não use achando que está preparando alimentos saudáveis!

E também não vale usar todos os dias, já que os alimentos que podem ser "fritos" nela nem sempre são as melhores escolhas, pois não permitem muita variedade e não possibilitam muito o uso de legumes e verduras.
Por isso é legal deixar para usar de vez em quando.

Alguém já viu ou usou?

Compartilhem suas experiências!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Cortar o glúten não é só uma onda! Entenda porquê.

O glúten é uma proteína presente no centeio, aveia, cevada e trigo.
Algumas pessoas são portadoras de uma doença chamada celíaca, que, na ausência da enzima que digere a gliadina, tornam-se intolerantes a esse nutriente.
Gliadina é a partícula que confere elasticidade ao glúten, e forma uma espécie de cola em nosso intestino.
Os sintomas da doença celíacas são diarréias, perda de peso e fezes esbranquiçadas (esteatorréia), com um enorme comprometimento nutricional.
Mas também um outro grupo de pessoas que não possuem a doença celíaca e mesmo assim são levemente sensíveis ao glúten, ou por excessos (o consumo de alimentos fontes de glúten só vem aumentando com o passar dos anos) ou por alterações intestinais causada por maus hábitos alimentares (disbiose intestinal).
Para essas pessoas, o diagnóstico é muito mais difícil de ser feito, pois os sintomas não são tão agudos, e podem variar de pessoa a pessoa. Além disso são sintomas nem sempre relacionados com intolerâncias alimentares.

Entre eles podem estar: dificuldades para perder peso, prisão de ventre, cólicas abdominais, enxaquecas, dores articulares, musculares, depressão, alterações do humor, hiperatividade, aftas, formigamentos das extremidades e infecções urinárias de repetição.

Entendendo o processo:
Uma partícula de glúten mal digerida que é absorvida no intestino vai causando uma série de problemas no organismo, que começa na passagem dessa macromolécula pela barreira intestinal, o que causa inflamações e anormalidades, podendo acarretar na passagem de  bactérias patogênicas para corrente sanguínea.
Vários estudos relacionam o aumento da permeabilidade intestinal com doenças como: inflamações das articulações, atopias, asma, urticária, artrite reumatóide e muitas outras.
O espaço entre as células do intestino normalmente estão fechados, mas a irritação da mucosa pode aumentar esse espaço entre as células e ser um local para a entrada de macromoléculas para a corrente sangüínea.
Essas substâncias que não estão presentes no organismo saudável podem ser reconhecidas pelo sistema imune como um organismo estranho e desencadear uma reação tipo antígeno-anticorpo, como acontece nas alergias de fundo alimentar.

Por essa razão, a retirada do glúten da alimentação, ou apenas a diminuição, para algumas pessoas, pode não ser apenas uma onda ou uma nova dieta e sim uma necessidade, a peça chave na perder peso, desintoxicação, e na recuperação da energia, vitalidade e qualidade de vida.
Um bom nutricionista funcional saberá dizer se o seu caso é esse.

Dica de padaria maravilhosa sem glúten
Para quem mora em SP, uma ótima notícia que facilita MUITO a aplicação de uma alimentação sem glúten.
Temos uma nova padaria, especializada em pães e gostosuras sem glúten, que ainda por cima faz entregas!
Eles tem uma seleção minuciosa de ingredientes utilizados, o que é difícil na maioria dos produtos sem glúten aqui no Brasil que em geral são entupidos de farinha refinada e açúcar.
Manteiga ghee, amaranto, quinua, biomassa de banana verde, chia, agave... essas palavrinhas podem ser estranhas para você, mas são bem conhecidas de pessoas preocupadas e entendidas com a saúde, que não se contentam com pouco.
O nome da padaria é Diaita e fica na Zona Norte (http://www.diaita.com.br/).
Além de tudo é uma padaria super familiar.
Fale com a dona, ela se chama Sofia, muito atenciosa.